8 de março de 2014

IMPORTÂNCIA DA LITERATURA



“A literatura é a coisa mais interessante do mundo, talvez mais interessante que o mundo”
Derrida

Se preferir, conheça um texto que aprofundará este tema em


"A importância da literatura está em ser um caminho para interpretação do mundo. Não é o único, mas é o que aguça a capacidade de livre investigação sobre tudo que cerca o homem. Aguça e problematiza, questiona e sugere novos sentidos. Desse modo, Derrida tem razão, pois sem o apoio das metáforas, não seria fácil compreender o significado das coisas." – Admmauro Gommes

"Grande literatura é a palavra carregada de significados até o último grau possível.” - Ezra Pound

Pensar em um mundo sem literatura é pensar no melhor prato sem sabor, um mundo que pode encher os olhos, mas que não se sustenta, é frágil, pois não seduz, não agrega valor emocional, não envolve, não provoca reações sensoriais capazes de produzir arrepios.” - Lourdes Melo (Profª da FAMASUL).


"Dentre todos os modos de se literaturar, o poema, – salvo melhor juízo – é a principal “joia da coroa” do reino encantado intitulado: Literatura.” - Riccardo Guerra (Jaqueira).



23 comentários:

  1. A importância da literatura está em ser um caminho para interpretação do mundo. Não é o único, mas é o que aguça a capacidade de livre investigação sobre tudo que cerca o homem. Aguça e problematiza, questiona e sugere novos sentidos. Desse modo, Derrida tem razão, pois sem o apoio das metáforas, não seria fácil compreender o significado das coisas. Ela, a literatura, é mais profunda do que se pensa: serve de base para expressar o pensamento religioso, artístico, filosófico, político, social... enfim, é a arte que utiliza a palavra com maior preocupação em atingir seus objetivos, mesmo que sua forma seja simbólica. Citando o mesmo filósofo, “não há nada de concreto que justifique o mundo, porque não se pode afirmar uma essência, um fundamento, uma causa primeira que explique ou justifique o mundo tal como ele se põe diante de nós, tal como ele nos envolve.” Por isso mesmo, é difícil entender o mundo sem a forma abstrata da literatura.

    ResponderExcluir
  2. Meus agradecimentos a um dos melhores poetas de pernambuco pelas suas grandes idealizações e realizações, admmauro gomes que possamos ter suas enormes poesias que nos faz seres melhores e desenvolvidos um grande abraço de seu fãn 1 hélio santos,fica com Deus

    ResponderExcluir
  3. Se Derrida tivesse finalizado essa citação exatamente assim: (A literatura é a coisa mais interessante do mundo). Teríamos apenas mais uma afirmação de alguém apaixonado pela arte literária.
    Mas com artimanhas de mestre ele vai além... E consegue provocar com uma simples palavra (talvez) uma grande discursão. Se tomarmos como base o pressuposto de que; mais importante é quem surgiu primeiro, teríamos que questionar: Quem surgiu primeiro o mundo ou a literatura? e "talvez" tivéssemos o mesmo impasse; (Quem é mais importante o ovo ou a galinha?)
    Após longos, silenciosos e conflitantes minutos de reflexão pude chegar a conclusão que; a literatura é uma arte que imita a realidade.
    (-De onde?)
    (-Do mundo!)
    E o mundo é esse espaço que propicia essa arte.
    Que essa parceria seja eterna e sem conflitos; "O mundo da literatura e a literatura do mundo!" Não dá pra especificar quem é mais importante se ambos são necessários pra existência um do outro.
    "Talvez" eu esteja certa, mas prefiro não ter razão... Não quero ser aquela que diz a última palavra... Prefiro que seja você!

    ResponderExcluir
  4. É isso mesmo Emanuela. Como disse a professora Elizabeth Muylaert Duque Estrada:

    "Um talvez que não se refere a uma dúvida, uma reticência ou mesmo uma especulação; como o talvez que diz que as coisas, inclusive nós, podem ser assim como elas aparecem no mundo, o mundo que está aí, ou talvez, ao contrário, elas possam ser de outro modo, resistindo ou contestando a lógica deste mundo."
    (http://www.confrariadovento.com/revista/numero11/ensaio04.htm)

    ResponderExcluir
  5. Jacques Derrida afirmou ainda: “Só se vê bem com o coração. O Essencial é invisível aos olhos”, este axioma se “encaixa” perfeitamente ao meu pensamento filosófico e se coaduna com o que afirmou o mestre Manuel Bandeira: “Os poetas veem o mundo com os olhos de uma criança”. Portanto, os poetas têm que ter esta sensibilidade ao poemar, sob pena de que os seus poemas não se transformem em poesia. Dentre todos os modos de se literaturar, o poema, – salvo melhor juízo – é a principal “joia da coroa” do reino encantado intitulado: Literatura. (Riccardo Guerra).

    ResponderExcluir
  6. Autores contemporâneos têm pavor de serem “rotulados” de regionalistas. Ora, O regionalismo tem uma tradição de quase 150 anos na literatura brasileira. Surgiu em meados da centúria XIX, nas obras de José de Alencar, de Bernardo Guimarães, adentrando dengosamente ao século XX nas obras de José Lins do Rego, Graciliano Ramos, Érico Veríssimo e Guimarães Rosa, percorrendo um longo caminho, cujas raízes estão fincadas na época do romantismo, como as obras de José de Alencar nos revelam.
    Lev Nikoláievich Tolstói, o sábio literato russo nos diz que: “Se queres ser universal, começas por escrever sobre tua aldeia”. Corretíssimos ensinamentos, pois devemos conhecer primeiro a nossa história, à posteriori conhecermos outras. A melhor forma de fazê-lo é através da Literatura, de preferência produzindo-a. (Riccardo Guerra).

    ResponderExcluir
  7. Muito bem, Grande Riccardo Guerra!

    Belíssima sua intervenção neste debate.
    Os olhos de uma criança que veem o mundo, como disse Bandeira, fazem com que este mundo seja diferente, dentro de uma sugestão quase sem fim, no campo das metáforas. E é exatamente este o olhar do poeta, que recria um novo universo a cada poema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou me deleitando com este debate,e apesar de me sentir diminuta diante de tantos especialistas na área, me atrevi a pensar sobre o meu entusiasmo e expressar o meu contetamento, primeiro pela brilhante inicitiva do nobre colega professor Ademauro,em criar este espaço de compartilhamento e este tema deveras interessante e instigador. Pensar em um mundo sem literatura, é pensar no melhor prato sem sabor, um mundo que pode encher os olhos, mas que não se sustenta, é frágil, pois não seduz, não agrega valor emocional, não envolve, não provoca reações sensoriais capazes de produzir arrepios.

      Até qualquer momento.

      Excluir
    2. Parabéns, Professora Lourdes, por seu comentário.

      Que bom ver "o prato" da literatura ser saboreado e aprovado por outros paladares, como o seu, que percebe as degustações no campo psicológico.
      Com toda razão, a literatura "seduz e agrega valor emocional."

      Excluir
  8. A Literatura é, portanto, a obra que pretende emocionar quem a lê e que, para isso, emprega a língua com liberdade, delicadeza, consciência profunda do que se está literaturando, utilizando-se, muitas vezes, do sentido metafórico das palavras, lapidando-as com sua capacidade intelectual, como a um diamante bruto encontrado, ou como um grande escultor ao aparar as arestas de um bloco de mármore e o transformar em uma belíssima estátua. A obra de arte estava no papel ou no frio mármore, coube ao artista apor sua capacidade como tal transformando-a na arte. Ambas as inspirações e habilidades estavam recônditas no seu íntimo. Riccardo Guerra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo poeta Riccardo:

      "A consciência profunda do que se está literaturando," é o que faz do escritor um ser diferente, consciente de seu papel social. E, nesse aspecto, você é um exemplo vivo que eleva o nome de Jaqueira nas Letras da Mata Sul. O seu livro "Danou-se Nega do Doce"(ainda no prelo) é o mais vivo tipo de literaturamento (permita-me utilizar seu neologismo) de um povo.

      Excluir
  9. Ao nosso querido escritor e poeta admmauro gomes xexeú e campos frios fica feliz por te um exemplo em pessonalidade e carater e determinação que uma esperança vive dentro de uma pessoal tão importante para nosso municipio admmauro gommes.

    ResponderExcluir
  10. No inicio de uma série ininterrupta e eterna de instantes um traço marcado pelos nossos sentimentos que só as palavras fotografa em um instante perdido, que medida arbitrária da duração das coisas tem mais a ver com a época determinada do que os sentidos e situações, que estação tem um prazo, e que demora muito e as vezes não da para esperar o quanto é necessário esperar, e que relativamente a certas circunstâncias da vida nos mostrar o estado das coisas costumes, opiniões de estado temporal, e que realizar algo exige um personagem invisível ou você próprio, que cada divisão dos segundos estão fluindo e você precisa de Instantes movimentos que se deve escolher uma das partes, as mudanças vão sempre existir aproveite o tempo certo de aproveitar a verdadeira felicidade de amar.

    ResponderExcluir
  11. Conduzir o leitor a mundos imaginários, é o que se propõe a literatura. Ela é tão poderosa que faz com que o literato transmita seus sentimentos e conhecimentos e ideais humanísticos, destarte, levando o leitor à uma profunda reflexão, não raro fazendo com que este seja levado à mudança de posição diante da realidade. Ela causa prazer aos sentidos humanos. Riccardo Guerra

    ResponderExcluir
  12. Obrigado pelo elogio!
    O pedagogo, do grego= paidagógós, aquele que conduz. Portanto, o responsável por esta minha condução no mundo literário foi você, caro Mestre e Poeta Maior Admmauro Gomes, que junto a uma plêiade de intelectuais da FAMASUL, a exemplo de Wilson, João Constantino, Ana Márcia, Adelmo etc, pegaram-me pelo braço e disseram: “Vem por aqui, este é o caminho”. Riccardo Guerra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não foi nada, Riccardo.
      Você é uma das pessoas que engrandecem o nome da FAMASUL.

      Excluir
  13. Um ato reage a uma pré - disposição de um ponto central do cérebro´´ hélio santos

    ResponderExcluir
  14. ``Uma ação causa uma reação, intão o que a antes de uma ação para que aja uma reação, seria intão uma pre-reação para que aconteça uma ação´´

    helio santos

    ResponderExcluir
  15. Quando curvava o 1º período de Letras na FAMASUL, questionado sobre o conceito de literatura, eu disse o seguinte: “Literatura é arte da palavra (oral ou escrita), representada através da manifestação de ideias criadas ou recriadas [...].” A professora Carmen Lucia Bezerra Bandeira (CEEL/UFPE), no prefácio do meu livro “O enigma do olhar” (Editora Livro Rápido, 2012), afirmou o isto a tal respeito: “O mergulho profundo no universo dos textos literários [...] é o melhor caminho para o exercício da reflexão, principalmente sobre a condição humana, uma vez que a literatura, enquanto patrimônio universal, é na verdade um grande legado da alma humana.”

    Roberto de Queiroz (professor e escritor)
    www.blogderobertodequeiroz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  16. Caríssimo poeta Roberto de Queiroz:

    Seu comentário valoriza este debate. É muito importante ter a opinião, principalmente para os universitários da FAMASUL, de alguém que passou por esta instituição e deixou marcas de técnica e habilidade literária. Aliás, você já chegou por aqui sendo poeta. Nós só acompanhamos seu crescimento como grande escritor. Sucesso, sempre!

    ResponderExcluir
  17. Viver em mundo sem Literatura é viajar em uma linguagem inexistente de imaginação e poder, é ficar sem experimentar da mais bela arte já inventada. A Literatura é uma arte que desperta inteligências mais afastadas, é uma arte que vivência a liberdade de gritar seu discurso ao mundo, de um modo real, porém vestido de ficção. Enfim, viver a Literatura é ser um conhecedor de culturas e encantador de palavras!

    A literatura é a força do pensamento vestida no momento da crítica a reivindicar uma arte para se aclamar!

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Êita, Douglas, antes de seres poético, foste filosófico.
      Estás te tornando um "encantador de palavras".

      Parabéns pelo teu comentário.

      Excluir
    2. Obrigado meu caro Professor, pois esta arte é ilustramente vivida por mim graças a seus conhecimentos pedagógicos, os quais despertaram em mim a vontade de viver a Literatura!

      Excluir