21 de julho de 2019

O MUNDO DE AGORA

Admmauro Gommes

O tempo de agora tem cheiro de pólvora 
as placas nas ruas proíbem o trânsito 
de homens e ovelhas que pastam no asfalto 
as máquinas engolem os cérebros dos que 
se atrevem a pensar de perto esses fatos. 

Porque o passado cegou os destinos   
o futuro cinzento a todos consome 
não basta a fome, bandeira inglória? 
Nos furtam direitos, criando pedágios. 
Que estágio vivemos no mundo de agora? 




20 de julho de 2019

COSMONAUTA

Admmauro Gommes

Passei cinquenta anos 
refazendo os planos 
para voltar à lua 
modéstia à parte 
cheguei em Marte. 

Melhorei meu desempenho 
reinventei um engenho 
e no final deste ano 
pela vez primeira 
verei a fronteira de Urano. 

Depois de Netuno 
última bola de gás 
saberei então dos segredos 
e das profecias celestiais. 

Explorei tanto o universo 
de sua gênese às cordilheiras sem fim. 
Só não sei o que se passa 
dentro de mim. 



24 de março de 2019

DIÁLOGO COM A IRRADIAÇÃO


 Admmauro Gommes

Para o Prof. Dr. Ednaldo Ramos
        
Radiação ionizante
que conserva os alimentos.
Ah! se houvesse um jeito
de preservar sentimentos!

Que o corpo não maturasse
que preservasse o que penso
de bactérias daninhas.
E os males que apresento
com radiação não tinha.

Eu seria inalterável
o tempo não me abalava
também não me consumia.
Vantagem ou desvantagem?  
Nada em mim envelhecia.

Desconfio da roupagem:
Uma novidade dessa
toxinas não traria?

Preso num tempo-gaiola
não teria evolução
seria estátua de carne
longe da putrefação.

Lamento que seja assim
com essas dúvidas, embora.
Tenho fungos no olhar
parasitas na memória
a falha molecular
apressa a minha história.


2 de março de 2019

FORMAÇÕES CONTINUADAS DE PROFESSORES: BNCC EM AÇÃO

Nesses últimos meses, o professor Admmauro Gommes ministrou várias palestras e participou de debate sobre a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 

Um público de mais de 800 pessoas acompanhou os eventos em Colônia Leopoldina (AL), Quipapá, São Benedito do Sul, Ilha de Itamaracá e Japaratinga (AL). Em Colônia, fez uma exposição no espaço Casa Dorinha e Chico Loló, a convite do Prof. Dr. José Francisco de Melo Neto, idealizador da Academia de Cultura de Colônia Leopoldina (ACCL).

Nos demais lugares, a organização das palestras ficou por conta da Assessoria de Capacitação, Eventos e Projetos Educacionais (ACEPE), coordenada pela Prof.ª Dr.ª Jaqueline Oliveira.


Colônia Leopoldina
O que muda na Educação com a BNCC


Quipapá (PE), 14/2/2019
BNCC E EQUIDADE: Todos têm direito de aprender




Ilha de Itamaracá (PE), 18/2/2019
BNCC : da discussão à formação de Currículos Escolares




São Benedito do Sul (PE), 19/2/2019
A BNCC na prática da gestão escolar e pedagógica 





Japaratinga (AL), 25/2/2019
A BNCC na prática docente: um olhar para o currículo





admmaurogommes@hotmail.com

081.9 92911071

2 de janeiro de 2019

20 ANOS SEM BENTEVI


           por Admmauro Gommes

Se você me lançar um desafio 
Desembesto fazendo poesia 
Do tufão eu faço calmaria 
E me viro num bicho arredio 
Faço o sol tremer de arrepio 
Faço ele nascer de madrugada 
Só não peça eu que entre na jogada  
Enfrentando o poeta Bentevi 
O maior cantador que eu já vi 
Fazer verso cantando embolada. 

Nesse ano dois mil e dezenove 
Vinte anos faz que ele voou 
A poesia daqui desmoronou 
Mas seu verso ainda me comove 
Se surgiu outro, que me prove 
Que fazia da letra um bisturi 
Na leveza que tem um colibri 
Inventando um negócio sem igual 
No repente, na rima, coisa e tal 
Como esses de Manoel Bentevi: 

“Naquele tempo odiento e obscuro 
Em que a ciência era trancada em um vaso 
Todo mundo imerso no atraso 
Eu olhei na janela do futuro 
O panorama da vida é muito duro 
E o destino do homem vem traçado 
Eu pra ver se obtinha resultado 
Do além e de coisas mais incríveis 
Penetrei no setor dos invisíveis 
Vi o mundo sorrir do outro lado.” 

Eu olhei na janela do passado 
Vi poetas de toda natureza 
Cantando seu país e a beleza 
Vi Ascenso Ferreira assentado 
Teles Júnior e Jaorish ao seu lado 
Elias Sabino, decano e rabi 
Ariano Suassuna também vi 
Ouvindo a poesia completa 
Daquele que nasceu pra ser poeta 
E assinava somente: Bentevi. 



Manoel Bentevi nasceu no Engenho Verde, em Palmares, no ano de 1911. Autodidata, poeta de cordel e cantador de coco e embolada. Inédito por muito tempo, foi promovido em Pernambuco pelo poeta Juareiz Correya, que destacou e projetou o seu trabalho com a edição especial da revista POESIA (nº 3, Nordestal Editora, Recife, 1982), inteiramente dedicada ao seu nome. Publicou o livro Desmanchando o Nordeste em Poesia (Edições Bagaço, Palmares, 1986) e deixou inédito o livro A Beleza Nordestina. Faleceu em Joaquim Nabuco (PE), onde residiu por muito tempo, no ano de 1999.  

Fonte: Poetas dos Palmares, pág. 82 (Org. Juareiz Correya)