24 de fevereiro de 2018

VIDA PRESSA NÃO TEM BOA

Admmauro Gommes 

 
A vida é para ser degustada, provada 
antes de consumida. 
Não vá com muita sede ao pote 
nem à porta de saída 
da vida. 

Descanse para correr 
depois, corra para descansar. 

Quem muito tem, muito perderá. 

Não se esqueça de se esquecer 
o que você não quer lembrar. 

Tenha paciência 
não se incomode com o vento 
é preciso ter sonhos, é preciso ter tempo 
para viver um dia de cada vez 
e várias vezes em cada dia. 

Sorria! 
A vida não é feita só de sorrisos 
mas seja sempre criativo 
mesmo quando estiver por um triz 
sob trovões e tempestades 
invente uma qualquer felicidade 
para viver a aventura de ser feliz. 

Fuja do barulho das máquinas 
da pressa desenfreada 
da fumaça e do stress 
que causam problemas tantos. 
“Olhai os lírios do campo...”



1 de fevereiro de 2018

ONDE QUERES

                        (Como querer caetanear)
Admmauro Gommes
   
Onde queres verdade, sou mentira 
Onde queres a lira, sou espada 
Onde queres a quadra, redondilha  
E onde queres o tudo, não sou nada 
Eu te faço o bem, o bem é mal 
Por querer amar o amor não quis 
Onde queres espinho, flor de lis  
E onde queres montanha, litoral. 



31 de janeiro de 2018

SOM DAS ORQUÍDEAS

Admmauro Gommes
 
O som que vem das orquídeas 
galopa ninhos de pássaros 
percorre campinas nuas 
vales desvalidos 
e desadormece os sorrisos 
encantados no nylon da última estação. 
Tudo isso acontece 
porque flores de plástico brotaram 
da escuridão de tua ausência. 



29 de janeiro de 2018

VÍDEOS DE LITERATURA

Assista aos vídeos

A HIPERMETAFORIZAÇÃO DO LITERÁRIO em



NERVOS DE AÇO - POEMA DE LUPICÍNIO RODRIGUES 
comentado por ADMMAURO GOMMES



TERNURA de VINÍCIUS DE MORAES



ADMMAURO GOMMES RECITA
DOIS POEMAS DE MURILO MENDES



DOIS MORCEGOS
POEMAS DE AUGUSTO DOS ANJOS E DE ADMMAURO GOMMES




6 de dezembro de 2017

ADMMAURO GOMMES E VILMAR CARVALHO PUBLICAM, HOJE, SUAS OBRAS NA FAMASUL


Dois autores com mais de três décadas de produção literária publicam, na Famasul, duas de suas obras: Vilmar Carvalho (Ocidente tardio) e Admmauro Gommes (Teoria da poesia absoluta).

Vilmar Carvalho faz uma importante seleção de textos poéticos produzidos nos últimos anos. Esse consagrado autor, que domina muito bem a técnica da poesia contemporânea, edita sua mais nova produção, nesta quarta-feira. No mesmo espaço e ao mesmo tempo, Admmauro Gommes lança seu novo livro. A obra reúne todo conhecimento aprendido e ensinado e aplicado nas aulas de teoria da literatura, em 25 anos em contato com o fazer literário, na Famasul, e tem como foco investigar o fenômeno da criação poética.

São duas obras fundamentais para o conhecimento da poesia pernambucana na atualidade. Os lançamentos têm início a partir das 19h40 de hoje, na Biblioteca Ascenso Ferreira, na Famasul, em Palmares/PE.







5 de dezembro de 2017

A POESIA ABSOLUTA VAI MAIS ALÉM

Yasmim Taynara Cruz dos Santos
(IV período de Letras/FAMASUL. 2017.2)

Sempre comentavam sobre Vital na faculdade e fiquei curiosa para conhecer o trabalho desse homem de quem tanto se falavam. Quando soube do que se tratava, fiquei sem entender o porquê de uma pessoa criar um poema para ninguém compreender. Enfim, chegou o dia em que acontece a palestra de VCA e entro na sala justamente para ver o que o próprio criador dessa arte que causa tanta estranheza em seus leitores iria falar sobre ela.
Em poucos minutos de sua palestra, fiquei fascinada com cada palavra que ele falava. Com uma visão de mundo tão diferente e de vasto conhecimento. Era como se tivesse passando um filme em minha cabeça. Surgiram muitas dúvidas, mas a maioria delas não conseguir expor, pois me senti intimidada no meio de tantos intelectuais. Quando ele começou a falar sobre a poesia absoluta e sua relação com o cérebro humano, consegui entender que não se tratava de um simples poema, com palavras aleatórias, mas de um mecanismo vital para expandir a capacidade do nosso cérebro pois, como ele falou, “nós somos tão acostumados a ler coisas de fácil compreensão que acabamos não estimulando nosso cérebro a pensar, deixando-o acomodado e estacionado”.
A poesia absoluta tende a essa provocação. Vai muito mais além do que um raciocínio lógico. Posso dizer que está mais para um enigma ilógico. E, diante dessas informações, foi como se um botão fosse acionado no meu cérebro, me permitindo perceber a capacidade que eu tinha, aliás, que nós seres humanos temos de fazer coisas extraordinárias.
Naquele momento, me senti diferente, com vontade de aprender mais. Mas, não da maneira fácil e sim da maneira mais difícil possível. Eu almejava desafiar o meu cérebro do modo mais complexo e descobrir do que ele é capaz. Bateu-me uma euforia. Minhas mãos suavam, meu coração acelerava. Em outras palestras, eu olhava umas vinte vezes a hora, no celular. Nessa, não.
Da faculdade para minha casa é uma hora de viagem. Para mim, foi como se tivessem passados uns quinze minutos, pois minha cabeça estava processando tanta informação que meu juízo começou a doer (não era dor de cabeça) eu tentava relaxar, me acalmar, vi a hora ter um ataque cardíaco ou um AVC.
Pode até parecer exagero, mas foi o que realmente eu estava sentindo naquele momento. O que eu posso dizer é que a poesia absoluta não é para qualquer leitor, mas para leitores especiais com o nível avançado do intelecto, não para compreendê-la, porém para dar a si mesmo uma razão para ir mais além.
VCA





28 de novembro de 2017

NÃO É QUALQUER MARIA


Não é qualquer Maria 
com quem se tem 
fina amizade a vida inteira. 
Nem toda Maria José. 
Tem que ser 
Maria José de Oliveira
Costa. Sendo a primeira 
mas pode ser simplesmente
Maria, somente. 
E já é muito. E verdadeira. 

21 de novembro de 2017

HERMILO BORBA FILHO NO FESTIVAL ARTE NA USINA - Safra 2017

Aconteceu na noite de ontem (20/11) uma Mesa de Diálogo com o tema “Hermilo Borba Filho e a cultura popular.” Estiveram presentes, além do mediador Rufino, o professor de artes cênicas, Igor, do Recife, Luiz Alberto Machado, de Palmares, e os professores de literatura Admmauro Gommes e Antonino Matias, de Xexéu. 

A importância de trazer o nome de Hermilo à discussão faz parte das comemorações do centenário desse ilustre autor palmarense, destaque nacional na narrativa de ficção. Prestigiado diretor de teatro, professor de literatura e artes cênicas. Exímio tradutor de célebres nomes da literatura mundial. 

Dentro das homenagens, a Companhia Editorial de Pernambuco (Cepe) publicou este ano “Contos de Hermilo Borba Filho” e “Os ambulantes de Deus,” em edição comemorativa. Com a mesma intenção, o Governo do Estado, em louvação ao teatrólogo, modificou o título do Prêmio Pernambuco de Literatura, para Prêmio Hermilo Borba Filho. Daí a importância de visitar a obra e a biografia desse artista de projeção nacional. 

A proposta do festival é transformar a cultura em uma nova oportunidade de sustentabilidade para a região. Nesse ponto, e em todos os aspectos da organização, o evento tem sido um sucesso. Acontece na Usina Santa Tereza, Água Preta, Pernambuco. Começou no dia 17 e vai até 25 de novembro com uma vasta programação envolvendo oficinas de fotografia, artes visuais, teatro, palestra, quadrinhos, cinema e música. 

A quem interesse, ainda dá tempo de participar. Vale a pena conferir um festival para todos os gostos culturais. Veja como: http://usinadearte.org












19 de novembro de 2017

CAMINHANDO E CANTANDO

E caminhávamos na areia da praia. Éramos três. Um, que fez da música profissão; o outro, sempre utilizou a música na profissão. E eu, desentoado, acompanhava a dupla, como distante terceira voz.

Literalmente, cantou-se até debaixo da água. Ou, lembrando Vandré, estávamos caminhando e cantando e seguindo a canção. De Agnaldo Rayol a Roberto. De Nelson Gonçalves, a Clara Nunes. A nada gravado na última década se prestou homenagem. Somente a nata da MPB nos veio à lembrança. 

Isso, depois de um demorado banho nas águas claras e límpidas de um paraíso na costa alagoana, chamado Peroba. 

Três professores comemorando o Dia da Proclamação da República, à toa, no mar, deixando a saudade e as lembranças à deriva, levadas pelo vento, na vela veloz que passava. 

Só faltou a foto do fato. Essa foi impressa na memória.


9 de outubro de 2017

TURMA DE LETRAS CRIA BLOGS ACADÊMICOS

 
Estudantes do segundo período de Letras na Famasul (2017.2) criam blogs que servem de instrumento didático. Além de dominar esse importante recurso, as postagens terão interface com a disciplina teoria da literatura (narrativa). O primeiro conteúdo em debate é a crônica literária. Acompanhe. 





2 de outubro de 2017

SEIS POETAS DE UM NOVO TEMPO


Caio Lima

Edson Marques

Libene Tenório

Neilton Farias

Pamella Emanuella

Tony Antunes 

  
                               
INTUIÇÃO
Caio Vitor Lima (Palmares/PE)

De repente um pesado silêncio
adentrou pela porta.

Minúsculo e exato
como um átomo.

Rotundo e transparente
como uma bomba de gás de hidrogênio.

Sua intuitiva presença
levou-me a uma questão imponderável:

Se vida tivesse
que bicho o silêncio seria?

Um singelo micróbio
ou um enorme cachalote?



PERISTÁLTICOS
Edson Marques (Palmares/PE)

Os movimentos peristálticos da despersonalização 
empurram pouco a pouco o bolo alimentar da solidão 
que vai absorvendo as tristes proteínas da hostilidade 
espalhando os nutrientes da agressividade.
Digerindo desorientação e lentidão 
o suco gástrico da depressão 
esmói alucinações com indignação. 
Os ácidos clorídricos da saudade 
absorvendo os nutrientes da mediocridade 
alienando as microvilosidades 
desvairando o reto com temeridade 
expele bolos fecais de desintegridade.



ARREMESSAR
Libene Tenório (Novo Lino/AL)

Arremessar a voz banal 
sussurrar no mar infinito 
arrepiar na voz matuta 
amarelar na hora certa. 
Caranguejos que se escondem 
mangue cúmplice assim 
chumbo de Lampião 
cegas cegonhas aqui 
barbante imenso enrola 
homem de ferro encolhe 
brasa de fogo consome. 
Arremessar os bárbaros agora? 
Missão possível do tempo. 



UMA DEFINIÇÃO DE DESEJO
Neilton Farias (Novo Lino/AL)


Uma definição de poesia é teu sorriso 
teus lábios
teus seios
teus dedos parecem perfeição 
se é que existe ou não 
uma definição de teu sorriso é poesia.
Se à noite ou dia 
um sorriso
uma poesia
uma definição 
de uma canção
que escorre de teu sorriso 
de teus lábios
de teus seios 
pelos teus dedos. 
Quero esse sorriso 
quero ser esse teu riso 
e escorregar pelo teu corpo inteiro. 


  
PANGUAIÃS
Pamella Emanuella (Tamandaré/PE)

Nasci da seca de estrelas líquidas
vim das paisagens tangíveis
dessas emendas ineptas e negras
das mordidas desabotodas
que fogem nas asas de íons.

Vi o bruto desperdício das escritas castigadas (mestiça)
cresci dos minérios quase mórbidos
evolui nas nuvens de aço
respiro cárceres de ideias monásticas
vivo no toque do visível recôndito
como arte das manhas roxas
bebo vinho de memórias suíças
sou panguaiã.



PLURIVOCADO DE LÁSTIMO
Tony Antunes (Palmares/PE)

Verberando as digitais do tempo 
as ventanias  cantam sinfonadas 
com trombetas de pretas pedras. 
Os lastros das nuvens de estopas 
sacodem os egos dos idiotanados 
em arupembas de espinhos 
das goifadas babas. 
Os íctos dos verbos secaram
emudeceram o vértice do esquadro
arderam nas almas das sombras
calaram nas bocas dos poetas. 
Plurivocado de lástimo desincopado, 
embriagado e nu o passado 
rendeu-se ao futuro.