26 de setembro de 2018

A VEROSSIMILHANÇA NA FICÇÃO

Teoria da Literatura II

Posicione-se criticamente a respeito da existência da verossimilhança no texto narrativo. Cite um romance como exemplo e utilize o texto abaixo para argumentar.

“Quando falamos em transfiguração do real, fazemos referência a um mundo imaginário, a algo criado pelo próprio artista. No entanto, não é porque a estória não é verdadeira que ela não deve possuir uma lógica, uma equivalência com a verdade.” (Vânia Maria do Nascimento Duarte)

10 comentários:

  1. Verossimilhança é na ficção tudo o que se assemelha com a vida real, tem a possibilidade de acontecer, ter acontecido ou está acontecendo. São escritas fascinantes que fazem o leitor acreditar que realmente foi vivida em determinado contexto, pois se parece muito com acontecimentos verdadeiros. O autor utiliza da verossimilidade para prender e entreter o receptor fazendo com que ele viaje com a personagem, se envolvendo por completo.
    É bem perceptível o uso da verossimilhança em obras famosas. Podemos observar isso na obra de Graciliano Ramos “Vidas Secas”, quando a persona, Fabiano é o retrato de um nordestino que sofre com a seca e é obrigado a partir para encontrar refúgio e sobreviver com sua família. Nesse texto a probabilidade do legente acreditar que a história de Fabiano foi realmente vivida é grande, por causa das circunstâncias ocorridas, se tratando de uma personagem típica de um vaqueiro no sertão e seguindo fielmente essa linha.
    A ficção literária pode se comparar com um fato verídico que poderá acontecer, ter acontecido ou está acontecendo, porém, nunca vai ser verídico. Os elementos da obra vão persuadir o leitor a acreditar na veracidade dos fatos que está lendo por haver elementos que se assemelham com nosso mundo real e coisas do nosso cotidiano. Na obra de Rachel de Queiroz “O quinze”, relata um romance entre os primos, Vicente e Conceição e a diferença cultural entre eles, isto é, acontecido que pode claramente decorrer na realidade, fazendo da história verossímica e muito interessante.

    ResponderExcluir
  2. • Como o autor se utiliza a verossimilhança dentro da ficção literária




    A verossimilhança textual é a qualidade do que perece verdadeiro, ou seja o que não contraria a verdade dos fatos
    Esta atrelada a solidez cujo objetivo numa obra literária é a coerência, a ligação harmônica entre os elementos fantasiosos ou imaginário, que são essênciais para a compreensão do texto.
    Analisando a obra literária “ vidas secas” de Graciliano Ramos, podemos afirmar a verossimilhança, autor narra a história de uma família, Que decide se evadir de sua terra para se livrar da seca, o mesmo se utiliza dos elementos apropriados e realísticos que mesmo na ficção literária não perde a veracidade dos fatos, e envolve os
    personagens em um cenário real, mesmo vivendo a ficção.

    ResponderExcluir
  3. A verossimilhança na ficção trata do que o que é narrado se assemelhe à realidade,onde os fatos não precisam ser verdadeiros,pois o que é verdadeiro dispensa a verossimilhança,pois a mesma trata daquilo que parece ser verdade,ela é atribuída à probabilidade de algo acontecer, ter acontecido ou até mesmo estar acontecendo.
    Na literatura,mesmo que seja algo inventado,o que está escrito faz com que o leitor acredite que o que foi lido aconteceu com a personagem ou poderá acontecer na vida real,pois o leitor encontra lógica no que foi lido, aproximando cada vez mais a ficção da realidade.
    Na obra de Graciliano Ramos "Vidas Secas", é retratada a vida de uma pequena e pobre família,onde a seca é o principal problema sofrido por ela. Com isso,percebe-se que é grande a possibilidade de uma família ter passado, estar passando ou vi a passar na realidade pela situação que foi vivida pelas personagens. Vê-se que a obra trata de algo que pode ser possível de acontecer, é algo verossímil .

    ResponderExcluir
  4. Sendo uma das mais importantes no enredo de uma história, a verossimilhança é a existência de nexo e harmonia entre fatos e ideias numa obra literária, ainda que os elementos imaginosos sejam determinantes no texto. Ela não precisa obrigatoriamente manter-se fiel a realidade, mas as coisas, precisam ter uma lógica, seguir uma ordem, aproximar-se do real. Esse sentido interno presente na obra, consegue provocar no leitor a impressão da verdade. Exemplo de uma verossimilhança na ficção literária é a obra mais popular do pernambucano João Cabral de Melo Neto “Morte e Vida Severina”. É um poema de construção dramática onde o autor escreve sobre o nordeste e choca pelo realismo. Com temática regionalista, Morte e Vida Severina retrata a trajetória de Severino que deixa o sertão nordestino em direção ao litoral em busca de melhores condições de vida e se depara com a morte, descobrindo que a mesma não escolhe cor, raça, ou status social. E é justamente ela a maior empregadora do sertão. Severino até tenta suicídio mas é impedido pelo carpinteiro José, representando na obra a remissão dos pecados, fazendo alusão ao pai de Jesus Cristo que também era carpinteiro. A verossimilhança é representado pelo fundo social da peça retratando assim o cenário nordestino do sertão, e os pernambucanos que buscam condições melhores fora desse contexto social.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Criar um texto verossímil consiste num trabalho sequencial de causas, isto é, fatos que originam outros fatos.
    Já é sabido que a verossimilhança é uma característica de textos fictícios que se fundamentam na realidade, bem como diz Vânia Maria; “Quando falamos em transfiguração do real, fazemos referência a um mundo imaginário, a algo criado pelo próprio artista.”, no entanto a verossimilhança não deve ser algo atualmente verídico e sim algo possível de acontecer.
    O autor provoca a impressão de realidade utilizando uma linha coerente de acontecimentos interligados que desencadeiam outros acontecimentos – consequências – de modo que esses fatos não entrem em contradição e estejam o mais próximo possível da realidade.
    A obra Iracema de José de Alencar retrata o romance entre uma índia chamada Iracema e o português Martim, que viviam em tribos diferentes e inimigas, e este fato desencadeia encontros e desencontros que levam ao surgimento de um amor entre os dois.
    José de Alencar utilizou-se de um fato – a chegada dos portugueses ao Brasil – para desenvolver uma literatura romântica verossímil. Esta causa ocasiona diversas consequências seguindo um pensamento lógico no qual há proximidade com a realidade, ou seja, há possibilidades de uma história como a de Iracema e Martim acontecer.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. No contexto literário,dentre suas características e elementos, encontramos a verossímilhança dentro de uma texto narrativo,que precisa ser lógico e coerente com a narrativa,precisando de um início,meio e fim. um texto verossímil não limita-se ao fato de ter acontecido de fato,mas dentro das possibilidades de acontecimento. Na Inverossímmilhança onde se faz o oposto,a narrativa foge de uma situação possível,por exemplo: Se dissermos que uma mulher ao ser tocada ela pode engravidar. Mesmo que trabalhada num texto narrativo Inverossímil não é possível,nem passível de acontecinento... Já nos textos que comportam a inverInverossímilhança,existem sim,ainda que no mundo fictício a possibilidade de acontecimento.

    Em nossa literatura, é registrado por famosos escritores Brasileiros,relatos que trazem esses fenômenos verrossímel. Por morarmos num país tropical que já foi palco e anida é vítima, principalmente a região Nordeste,onde a seca,sendo um dos principais motivos que desencadeiam outros num conjunto processo de dificuldades. Destacando a obra de Graciliano Ramos em (Vidas Secas) a narrativa completa do seu início ate o final,mosta ali uma realidade que poderia ser fictícia,que mostra a vida de uma família,que vivem a procurar fugir da seca que os assolam,andando sem destino na tentativa de condições de vida para o casal e seus dois filhos,que traziam consigo dois animais de estimação: um Papagaio,e uma Cachorra por nome de Baleia. O texto narrativo registra uma situação verídica,pois o nosso Nordeste até nos dias de hoje,não só por motivos de seca,mas até a crise financeira,faz com que pessoas não apenas desta região do pais,mas de outras partes,saiam de seus lugares natal na busca por condições de vida melhor.

    ResponderExcluir
  9. Criar um texto verossímil consiste num trabalho sequencial de causas, isto é, fatos que originam outros fatos. Já é sabido que a verossimilhança é uma característica de textos fictícios que se fundamentam na realidade, bem como diz Vânia Maria; “Quando falamos em transfiguração do real, fazemos referência a um mundo imaginário, a algo criado pelo próprio artista.”, no entanto a verossimilhança não deve ser algo atualmente verídico e sim algo possível de acontecer.

    O autor provoca a impressão de realidade utilizando uma linha coerente de acontecimentos interligados que desencadeiam outros acontecimentos – consequências – de modo que esses fatos não entrem em contradição e estejam o mais próximo possível da realidade.

    A obra Iracema de José de Alencar retrata o romance entre uma índia chamada Iracema e o português Martim, que viviam em tribos diferentes e inimigas, e este fato desencadeia encontros e desencontros que levam ao surgimento de um amor entre os dois.

    José de Alencar utilizou-se de um fato – a chegada dos portugueses ao Brasil – para desenvolver uma literatura romântica verossímil. Esta causa ocasiona diversas consequências seguindo um pensamento lógico no qual há proximidade com a realidade, ou seja, há possibilidades de uma história como a de Iracema e Martim acontecer.

    ResponderExcluir
  10. É o autor um observador da realidade. É como um voyeur, se espreita em uma moita e procura fotografar as imagens que mais lhe interessa. Ao buscar um motivo para a elaboração de sua ficção, o autor procura dar verossimilhança, isto é, torna-la verdadeira, mesmo que seja absurdo, por exemplo, o caso de um morto contar sua própria história, Memórias Póstumas de Brás Cubas.

    Uma obra literária sempre vai ser produto da ficção, da imaginação do autor. Como dito anteriormente, o autor pode obter essa motivação a partir daquilo que o rodeia. É o caso, por exemplo, da história de Macabéa, personagem de A Hora da Estrela de Clarice Lispector. Através de um narrador ficcional, Lispector mostra o dia a dia de uma jovem nordestina que vive no Rio de Janeiro. As aventuras de Macabéa são tão comuns que tornam o enredo ainda mais verdadeiro. Tratando-se de uma ficção, o autor tem a primazia de torna-la real. Esse efeito provoca no leitor um estado de verdade; mesmo sabendo que é ‘mentira’, o leitor absorve a história e sente-se presente na narrativa.

    Portanto, para que aconteça esse fenômeno, a história deve ser dotada de uma lógica, coerência, espera-se que faça sentido. A medida que vai se tornando familiar vamos entrando na história, mergulhando naquele universo e absorvendo a ficção como verdade, a verossimilhança.

    ResponderExcluir