28 de outubro de 2013

FICÇÃO E REALIDADE NA HIPERMODERNIDADE


Marcondes Calazans
Professor de História e historiador/FAMASUL 

Marcondes Calazans
Dentro desta manhã, um sábado (24 de agosto), dia curto que nos divide entre o domingo e a segunda feira, dia que nos joga mais uma vez a mesma rotina, nós enquanto trabalhadores da educação que gostaríamos que o fato se resumisse em mera ficção fosse apenas algo que alguém escreveu (literatura), e eu, sem pressa e preocupação com o tempo e as responsabilidades do dia-a-dia, despojado numa rede amarrada de um pé de coqueiro a outro, diante de um oceano esplêndido sem o senso do ter que fazer a mesma coisa após os dois pseudos dias de descanso, só contemplar o tempo passar...
Mas não! Não! Hoje é sábado, amanhã é domingo e depois a famigerada segunda-feira, dia em que tudo começará de novo. Diferente do nosso amigo Rodrigues, que vive buscando a cada dia novas rotinas no canto que escolheu viver despojado por entre as árvores e o cantarolar dos pássaros, os mais diversos, cujo desafio ele busca preservar com profundo primor e devoção, levando-me a acreditar a cada momento que, dos seres humanos que conheço é o único sano, em se tratando de existência plena.
Mas vamos ao tema. Primeiro conceituando o termo ficção, que segundo o nobre amigo Ricardo Guerra é mera criação da imaginação, substantivo feminino que nos empurra muitas vezes ao ato de fingir ou simular alguma coisa. Por exemplo: temos a novelesca realidade produzida pela televisão e pelo cinema, muitas vezes nos obrigando a relacionar a imaginação do autor, do roteirista com a realidade. Quem já assistiu ao filme Matrix pode fazer essa comparação e concluir que não há limite entre ficção e realidade. No filme, é visível o roteirista mostrando o homem  a serviço da máquina que virtualiza sua imaginação. Hoje, agora, nesse momento, chego a perguntar-me: O que acontece agora? Eu estou a serviço da máquina que escrevo ou ela ao meu serviço?
Na era da pós-modernidade, cujo termo Gilles Lipovetske chama de hipermodernidade, é possível concluir  que a ficção, narrativa inspirada pelo progresso da ciência e da tecnologia, cujos lances situados em geral no futuro, pretendem antecipar-se (e às vezes se antecipam) às novas descobertas científicas. O que dizer do tablet, o computador, o smartfone da tecnologia que revolucionou o livro de papel colocando milhões de informações numa tábua eletrônica de um software?... Antes era ficção científica, hoje é mera realidade. Lembro,  no século passado, assistindo ao filme  “Jornada nas Estrelas”, a comunicação via uma pequena televisão onde o capital da nave estelar se comunicava com seus subordinados, hoje, isso é possível através de um simples telefone: você filma, fotografa, e em tempo real o mundo fica ciente do acontecido.
Por que o homem cria ilusões de realidades, espaços e pessoas inexistentes para contar histórias que nunca aconteceram? Por que produz imagens que não se encontram na natureza, de forma a materializar visualmente as ideias que temos na cabeça?
No longo período da história da humanidade, o homem, através da filosofia, da arte vem estudado o limite que existe entre ficção e realidade. A ficção é fruto de sonhos não realizados e de prognósticos feitos diante da velocidade em que o mundo vai.  “É a camuflagem do limite entre representação e realidade que dá início e sentido ao problema” Se nenhuma imagem é o real, como transmitir o real? O problema de linguagem passa a ser "como contar a verdade?".
É um tanto difícil estabelecer limites sobre o que pode ser ficcional, e o que pode ser uma "interpretação real". A Enciclopédia Larousse define ficção como "ato ou efeito de simular, fingimento; criação do imaginário, aquilo que pertence à imaginação, ao irreal; fantasia, invenção".
Creio, piamente, que a Larousse precisa de revisão, pois, sua concepção de ficção tem vetado os limites da realidade, considerando que na atualidade ficção e realidade são frutos de um mesmo tempo, de uma mesma época, em que a imaginação e o fato andam abraçados, às vezes de mãos dadas.


5 comentários:

  1. Reginaldo Oliveira25 de agosto de 2013 22:20

    FICÇÃO E REALIDADE NA HIPERMODERNIDADE

    Uma característica importante da natureza é a "impermanência", fruto da transformação constante de toda energia universal em fluxo constante de movimento. A ideia de realidade parte da mente que constrói o "ego"; identidade ávida de segurança a todo custo, criando realidades que tentam estabelecer sentido à vida. Quando da análise de comportamento das partículas subatômicas, principalmente do elétron, que em questão de probabilidade num determinado instante se apresenta como matéria e noutro como onda e, considerando que, a consciência também é fluxo de energia; o limite entre ficção e realidade é uma questão de conceito construído pela mente, dependendo dos condicionamentos decorrentes dos arquétipos sociais.
    Não resta dúvidas de que, para o mundo sensível que privilegia as formas e a estética, o relativismo cria a realidade porém, em nível macro, predomina a ilusão.
    Desejo informar ao amigo Marcondes que não havia comentado textos anteriores devido a problemas com o computador.


    ResponderExcluir
    Respostas

    1. O Coronel Reginaldo tem razão. Bem disse o poeta Gregório de Matos, sobre a "impermanência" das coisas:

      "Mas no Sol, e na Luz falte a firmeza,
      Na formosura não se dê constância,
      E na alegria sinta-se tristeza.

      Começa o mundo enfim pela ignorância,
      E tem qualquer dos bens por natureza
      A firmeza somente na inconstância."

      Excluir
  2. Concordo,quando o autor afirma que:"a ficção e realidade são frutos de um mesmo tempo... os mesmos andam abraçados, ás vezes de mãos dadas, pois a ficção é nada mais do que uma imaginação de um ser, que são expostas em algumas entrelinhas de um determinado poema"

    aluna: Gabriela Raianne

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Ficção é "imaginação de um ser." Até aí, tudo bem. Mas qual o limite dessa imaginação no ser? Esta é a questão em debate.

      Excluir
    2. Nenhum limite, caro poeta Admmauro, apor-se limites a imaginação é como querer segurar água corrente com as mãos.

      Excluir